07

fev15

Pérolas de direita #6

10-perolas-de-direita

TW (aviso): Algumas pérolas contêm racismo velado, elitismo, defesa de linchamento e vingança, constrangimento contra mulheres que abortaram ou querem abortar e apologia à violência militarista policial

O Consciencia.blog.br traz mais uma coletânea de 10 pérolas de direita, incluindo comentários e imagens de pessoas ou páginas assumidamente de direita (conservadores/reacionários, neoliberais, teocratas cristãos, “libertários”, “anarco”capitalistas, nacionalistas, patriotas coxinhas etc., com prioridade para conservadores/reacionários).

Nas Pérolas de direita você encontra o que há de mais anti-inteligente, odiento, preconceituoso, opressor, autoritário, falacioso, irracional e fanático na direita brasileira.

***

00051-biblia

Que absurdo “os esquerdistas” serem contra aplicar leis sangrentas da Idade do Bronze no Brasil do terceiro milênio depois de Cristo e, ao invés, defenderem a punição justa e a recuperação ressocializatória de detentos!

***

00052-compsol

Essa imagem provou, definitiva e irrefutavelmente, que o PSOL é um partido ruim e o Brasil seria um país mais justo, solidário e socialmente desenvolvido sem sua existência. Yeah!

***

00053-punicaosemidade

Se o crime “não tem idade” – ou melhor, se levar isso ao pé da letra -, então uma criança de 2 anos que pega a arma deixada no criado-mudo do pai e atira no osso da perna dele – deve ser considerada criminosa, presa por tentativa de homicídio ou lesão corporal grave e encaminhada ao presídio dos adultos.

JeniaU pegada de quem defende algo que não funciona como providência de combate ao crime.

***

00054-esteehoestado

– Sou de direita e considero o Estado um monstro.

– Hummm, interessante ver que você pensa assim. Em quais situações, por exemplo, o Estado age como um monstro? Deixa eu ver… Quando o governador manda a PM reprimir com brutalidade protestos originalmente pacíficos de movimentos sociais e quando a mesma PM vai à favela tentar “resolver” o problema do comércio e uso de drogas ilegais matando pessoas, o Estado está sendo um monstro?

– [Um monte de gaguejo] Não não. Aí o Estado está agindo como eu gosto. Mantendo a ordem, combatendo o crime, colocando vagabundos no seu lugar (sic).

– Então quando o Estado age como um monstro pra você?

– Quando me cobra impostos, me multa por impor jornadas abusivas a meus funcionários na empresa onde sou vice-diretor, se coloca como regente de políticas de desenvolvimento socioeconômico, confisca terras improdutivas da fazenda do meu primo… Sabe como é, o Estado é um monstro só quando age contra os interesses de “cidadãos de bem” ricos e direitos como eu.

***

00055-sobreadenuncia

Aécio, escute o grande mestre Olavo! Aponte ilegalidades de Dilma quando ela não estiver cometendo nenhuma ilegalidade! Acuse-a de usar ponto eletrônico no debate eleitoral quando essa acusação é fruto de boato virtual!

***

00056-vergonha

Que nojo ver a população negra e pobre exercendo sua liberdade de expressão e reivindicando a derrubada do racismo, do ódio aos pobres e da hierarquia social-racial no Brasil!

***

00057-eunaomereco

Pra quem fez a imagem, enquanto “fetos formados não merecem ser assassinados”, mulheres merecem ter seus corpos controlados pelo Estado e pelos homens e ser difamadas e caluniadas como “matadoras de fetos”.

***

00058-filantropos

Lógica JeniaU: há alguns empresários brancos envolvendo-se em filantropia, logo nenhum empresário branco é envolvido com controle interesseiro das políticas de Estado, com exploração abusiva de seus funcionários, com crimes ambientais e com a proteção das grandes empresas em detrimento das classes populares.

***

00059-policiamilitarforte

A mais inteligente e irrefutável resposta a quem defende a desmilitarização da PM e o tratamento dos policiais, pelo Estado, como humanos encarregados de proteger as pessoas ao invés de soldados brutais e robotizados ordenados a silenciar e matar: xingar de bandidos.

***

00060-debatendocomesquerdista

O autor da imagem está se referindo ao animal peidão.

imagrs

3 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Jp

fevereiro 8 2015 Responder

Bom dia: sempre que posso dou uma passada no seu blog e vejo nele um esforço reflexivo bastante considerável. gostaria, se possível, de fazer uma contribuição: Considerando o avanço do discurso direitista na mídia (espaço ampliado, ou seja, já existente anteriormente) e nas redes sociais, o discurso esquerdista (generalizado, aqui, é verdade, mas entendido como discurso oposto ao de direita), deveria abandonar determinados jargões ou propor novas práticas para tornar-se mais aceitável pela maioria à quem se dirige, mas que muitas vezes não a compreende? Que novas práticas os adeptos do discurso esquerdista deveriam adotar (ou abandonar) para que fosse possível uma renovação? Considerando, ainda, que a direita se apega aos velhos jargões e falácias, que práticas a esquerda poderia adotar (ou abandonar) para não ser acusada de vícios próprios da direita/do totalitarismo?

    Robson Fernando de Souza

    fevereiro 8 2015 Responder

    Olá, JP. Essa pergunta pdoeria ser melhor respondida por alguém que já seja militante de rua, adepto ou não de partidos como o PSTU e o PSOL ou de alguma agremiação de juventude comunista/socialista (ex.: União da Juventude Comunista).

      Jp

      fevereiro 8 2015 Responder

      Olá, Robson. Valeu pela resposta. Então, a inquietação (cada vez mais constante) que me moveu até aqui e escrever esse comentário nasceu, justamente, de conversar/observar pessoas que já são militantes efetivos ou apenas simpatizantes de grupos/associações com o perfil que vc cita. Vendo, ou ouvindo, eles falarem ou agirem, não consigo perceber nenhuma – ou quase nenhuma – indicação de mudança, de renovação. creio que é próprio da direita apegar-se aos velhos jargões, às mesmas posturas e discursos, quase nunca mudando ou, mudando para que tudo continue do mesmo jeito. já que são conservadores, nada mais natural…mas e quanto à esquerda? a falta de renovação, o apego a certos jargões, ou mesmo a não vontade de mudar, não seria mais prejudicial? Não se trata, logicamente, do abandono de bandeiras, de princípios, mas, sim, de um novo jeito de agitá-las, de defendê-las. Enfim, espero que a reflexão continue!

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo