20

jun15

Sobre a polêmica e revoltada resposta de Ricardo Boechat a Silas Malafaia

boechat-revoltado

Link do texto original

TW (aviso de conteúdo): O texto menciona e aborda machismo, homofobia e falocentrismo

Eu ouvi aqui a tal resposta de Ricardo Boechat a Silas Malafaia, o sacerdote do ódio. Vou ser polêmico: eu pessoalmente não curti a resposta dele.

Em primeiro lugar, chamou forte atenção o “convite” de Boechat a Malafaia pra “procurar uma rola”. Responder a um homofóbico com homofobia – seja velada ou explícita – não é legal e nunca foi. Não é razoável achar que homofóbicos o são por serem todos gays enrustidos. Menos ainda é crer que, digamos, penetração anal é “solução” para “curar” preconceito e intolerância.

Esse “conselho” apenas reforça o que o próprio Malafaia faz cotidianamente: estigmatizar com uma esmagadora negatividade preconceitual a sexualidade gay. E não “só” isso, como também reforça a velha crença machista e falocêntrica de que o pênis é uma “solução” pra comportamentos ditos indesejados. Essa crença é machista porque é comumente usada pra desqualificar declarações de mulheres indignadas com comportamentos de homens machistas – lhes é dito, por exemplo, que ser feminista e repudiar machismo é por “falta de rola”.

O restante do discurso de Boechat foi muito menos uma resposta à altura do ódio do “evil priest” do que uma “pegada de ar”, como diria Mução, o “rei” das pegadinhas telefônicas. Respondeu ódio com ódio. Não vi na fala do jornalista um rebatimento que tentasse fazer os seguidores dele pensarem um mínimo que fosse. Só vi mesmo acusações iradas.

A questão de Malafaia ganhar bastante dinheiro às custas da ingenuidade da fé alheia poderia ter sido explorado num discurso minimamente inteligente e desmascarador, ao invés de um rompante de raiva.

Eu posso dizer que, se Malafaia intencionou tirar Boechat do sério e jogar seus seguidores e “fãs” contra o jornalista, o objetivo foi alcançado, e o sacerdote do ódio “venceu” o comentado “duelo”.

Eu penso que os ideólogos do ódio intolerante e do fanatismo precisam ser respondidos pela razão, assim como pela motivação para que as pessoas reajam de forma inteligente e organizada à onda de fanatismo reacionário e multifóbico.

A pseudorrazão fraudulenta dos Olavos, Rachéis, Malafaias etc. precisa ser desmascarada com o uso da razão honesta. E isso nunca será conseguido com vociferações raivosas de quem parece ter sido apelidado num trote de telefone. Mas sim com discursos-resposta bem pensados, que apontem falácias, omissões, erros argumentativos, desconexões entre a declaração e os fatos etc.

#MenosÓdioMaisRazão?

 

Resposta aos críticos do texto acima

A reação negativa ao meu texto – e aos de outras pessoas, incluindo conhecidas feministas – mostra como as coisas estão preocupantes.

Problematizo falocentrismo, discurso machista e homofobia sutil, e veio muita gente, curiosamente, comemorando com relativização da homofobia e do machismo um passional ataque a um homofóbico machista. Muitas dessas pessoas não se contentaram com simplesmente entender meu ponto e discordar dele, tampouco em procurar ~por que~ eu falei o que falei. Vieram na intenção de silenciar mesmo.

E, até onde sei, eu não estava relativizando homofobia e machismo, muito pelo contrário. Vi problemas numa manifestação de falocentrismo homofóbico, e muita gente – maioria esmagadora de homens heterossexuais, como era de se esperar – veio tentar me calar.

Eu pude ver:
– palavras de ordem explícita – “PAREM” foi a mais vista, vinda de pessoas que realmente querem mandar no que outrem pensa e minimizar discursos libertários e problematizadores;
– acusações de moralismo e “mimimi politicamente correto” (os “humoristas” “politicamente incorretos” homofóbicos devem ter gargalhado na hora);
– reiterações de que Malafaia “realmente” precisava “procurar uma rola” e que “rola dá muito prazer mesmo” (discurso heterossexista que discrimina lésbicas, assexuais e outras pessoas não héteros que não se relacionam sexualmente com pessoas com pênis);
– discursos de que eu e outras pessoas discordantes da postura de Boechat estamos ajudando a “rachar” a luta contra o preconceito (é, “rachando” o combate ao preconceito por questionar os aplausos a uma postura legitimadora de preconceitos) etc.
– gente dizendo que deveríamos “relativizar” isso e aplaudir junto da galera a resposta raivosa de Boechat, em explícitas tentativas de silenciar as críticas e reprimir a própria liberdade de expressarmos oposição a discursos preconceituosos; etc.

Bacana, pessoal. É assim que vocês esperam que a homofobia – junto com todos os demais tipos de heterossexismo – dos Malafaias da vida seja derrotada, relativizando o próprio combate ao heterossexismo, silenciando os combatedores da mesma e reduzindo ao desprezível e até ao ridículo conceitos importantíssimos como falocentrismo, violência simbólica e preconceito sutil?

Parabéns (-sqn), vocês mostraram que concordam muito mais com gente da laia de Malafaia – e, de quebra, também com os Danilos Gentilis da vida – do que pensam.

#MenosÓdioMaisRazão
#HomofobiaNão?
#HeterossexismoNão
#RolaNãoÉSoluçãoPraNada?

**

Dois textos com os quais concordo, que também problematizam a fala de Boechat contra Malafaia:

Rola não é solução pra tudo

Sobre o lugar da rola na utopia

imagrs

13 comentário(s). Venha deixar o seu também.

jones

junho 29 2015 Responder

Não entendi a homofobia aí. Ele poderia falar para o pastor ir chupar uma bu***a, plantar batatas, ir pra casa do carvalho, etc. Falar pra um outro sujeito ir procurar uma rola não é homofobia velada, não faz nenhum sentido dizer isso. Me desculpa, mas esse tipo de pensamento em que tudo é homofobia chega a ser assustador. Então se ele tivesse mandado o pastor procurar uma perereca seria machismo velado?

    Robson Fernando de Souza

    junho 29 2015 Responder

    Por que não seria homofobia?

      jones

      junho 30 2015 Responder

      É evidente, isso faz parte de nossa linguagem. Ora, posso usar o mesmo criterio com vc: O que têm um homem procurar uma rola? Por acaso vc é homofóbico? Ou talvez seja contra os pássaros…

        Robson Fernando de Souza

        junho 30 2015 Responder

        Palavras e expressões racistas e machistas como “denegrir”, “a coisa tá preta”, “hombridade”, “o homem” (como sinônimo de “ser humano”) etc. também fazem parte de nossa linguagem, nem por isso deixam de ser racistas e machistas.

          Nome (necessário)

          junho 30 2015

          Essas expressões foram se consolidando com os séculos, trata-se apenas de como a linguagem evolui. Talvez alguma coisa possa ter vindo devido ao racismo, necessita-se de um estudo para entender a origem das expressões. A expressão “homem” para designar a espécie humana obviamente e machista, porém, lembremos que o ocidente foi e ainda é dominado pelas idéias do patriarcado religioso, isso veio de séculos, trata-se apenas de como a nossa linguagem evoluiu, segundo as nossas origens ancestrais. Palavras não são racistas, pois não possuem sentimentos, mas quem as usa sim.

haroldo

junho 22 2015 Responder

Robson…eu estava pensando numa questão…será que o Ricardo Boechat estava sofrendo bullying?….esta questão não deveria ser considerada?

    Robson Fernando de Souza

    junho 23 2015 Responder

    Haroldo, o que é bullying, nesse sentido que vc diz?

      haroldo

      junho 24 2015 Responder

      Robson, eu não sei se é exatamente bullying, mas quando nós somos atacados insistentemente por outra pesssoa, nós perdemos a cabeça, nós perdemos a razão, voce entende isso? É que eu não sei se é o caso

        Robson Fernando de Souza

        junho 25 2015 Responder

        Acho que entendo como é. Mas não creio ser o caso de Boechat, já que só foi noticiado um ataque contra ele vindo de Malafaia antes do piti.

Victor Santoro

junho 22 2015 Responder

O erro desses que acreditam que a fala do Boechat é uma vitória, na guerra contra o machismo e a homofobia, é justamente esse. Acreditam que há uma guerra a ser vencida. Lendo o texto, vejo que há pessoas interessadas em solucionar as coisas por outras maneiras. Parabéns.

    Robson Fernando de Souza

    junho 22 2015 Responder

    Valeu tb, Victor =) Abs!

Rafael

junho 21 2015 Responder

Primeiro comentário lúcido sobre o assunto que vi até agora.

Que horror que foi ver grandes veículos de esquerda fechando completamente os olhos pra homofobia do apresentador só porque ele se posicionou contra um dos inimigos dela.

Parabéns, Robson.

    Robson Fernando de Souza

    junho 21 2015 Responder

    Valeu, Rafael =) Abs!

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo