28

ago15

Falácia das fotos localizadas
Exemplo de imagem que cai na falácia das fotos localizadas

Exemplo de imagem que cai na falácia das fotos localizadas

Editado e atualizado em 20/12/2016. Removi as referências ao antiveganismo e só deixei o exemplo do falso contraste entre capitalismo “bom” e socialismo “ruim”.

Provavelmente você já viu uma foto assim.

De um lado, uma cidade cheia de luzes e prédios “bonitos” do centro financeiro de alguma megacidade, simbolizando a “glória” do capitalismo.

Do outro, uma favela, numa foto que realça as condições de miséria no local fotografado, como se exemplificasse um alegado empobrecimento generalizado causado pelo socialismo ou por outras políticas quaisquer de esquerda.

Essa estratégia, na verdade, é uma falácia, ainda que não seja hoje muito conhecida como tal.

É a falácia das fotos localizadas.

 

No que consiste esse tipo de falácia?

A falácia das fotos localizadas costuma ser utilizada, como se fosse um argumento bom e plausível, na tentativa de ilustrar e endossar argumentos de pessoas de direita defensoras do capitalismo.

Essa falácia consiste em comparar duas fotos: uma que favorece e “comprova” o ponto de vista do argumentador e outra que prova como a antítese desse ponto de vista é algo absurdo.

Ocorre, por exemplo, quando um defensor do capitalismo usa uma foto de um centro urbano esplendoroso, cheio de luzes, prédios e tecnologia avançada, como a downtown de Tóquio, e a contrasta com uma imagem de um local degradado, como uma favela de localização não determinada ou um beco deteriorado em Havana, capital de Cuba, rotulada como sendo de um “país socialista”.

Esse exemplo é usado para tentar argumentar que o capitalismo é “inquestionavelmente melhor” do que o socialismo. Afinal, segundo teorizam, cidades capitalistas seriam sempre belas, modernas e prósperas graças ao império do capital. Isso ao mesmo tempo em que cidades de países governados por políticos de esquerda seriam empobrecidas, antiquadas, malconservadas e decrépitas especificamente por estarem submetidos a um governo socialista.

 

Por que é uma falácia

 

Essa estratégia é falaciosa porque usa características bem localizadas, como se pudessem retratar todo o universo existente, respectivamente, de cidades capitalistas ou socialistas.

Essa é uma falácia já conhecida no meio acadêmico. É a chamada falácia cata-cereja, que usa dados esperta e cuidadosamente selecionados, como a foto noturna de um centro de megacidade capitalista contrastada com a de uma favela supostamente localizada na periferia de uma cidade de país “socialista”, para tentar endossar um determinado argumento, ignorando todas as evidências que lhe são contrárias.

A falácia ocorre aqui porque a foto do luminoso centro de megacidade corresponde a uma minoria da extensão territorial total dessa mesma cidade.

Em milhares de cidades situadas em países capitalistas ao redor do mundo, há bairros centrais ou periféricos bem cuidados, luminosos e “desenvolvidos” dividindo a extensão territorial municipal com locais, seja do próprio centro ou da periferia, maltratados pela ação do tempo e pela falta de revitalização.

Mesmo cidades que são tidas como foco do capitalismo globalizado, como Nova York, São Paulo, Londres, Tóquio, Roma, Pequim, Xangai, Berlim, Rio de Janeiro e Cidade do México, têm localidades padecendo com a carência de políticas públicas ou privadas de conservação e revitalização.

Por outro lado, há bairros bonitos e aparentemente prósperos em cidades de países considerados socialistas. O exemplo mais conhecido é Pyongyang, capital da Coreia do Norte, com bonitos edifícios na paisagem. E até certo ponto, é possível encontrar também fotos bonitas de cidades socialistas do passado, como Moscou na década de 70, quando era a capital da União Soviética, ostentando o padrão de “cidade moderna” da segunda metade do século 20, e uma foto bem tirada da noite de Havana.

No final das contas, tanto os países capitalistas como os “socialistas” possuem incontáveis contrastes entre locais belos e luminosos e regiões feias ou empobrecidas. E as fotos nada revelam sobre ambos os casos, exceto que em todos eles há desigualdade e seletividade nas políticas de gestão urbana e distribuição de renda.

Pelo contrário, é possível até usar essa estratégia para criticar o capitalismo, se eu tirar, por exemplo, uma foto da Avenida Paulista, em São Paulo, e colocá-la junto da imagem de uma favela da periferia da mesma cidade.

 

Considerações finais

Usar fotos contrastantes entre bairros ricos bonitos e bairros pobres feios nada depõe a favor do capitalismo e das políticas de direita. Pelo contrário, pode até depor contra a ordem desigual e injusta que ambos impõem aos seres humanos.

Então, se você compara o luminoso centro de Nova York com o beco degradado de Havana, reveja o uso desse argumento. Ou então, prepare-se para ser confrontado com, digamos, fotos de regiões degradadas da periferia da mesma Nova York e bonitos cartões postais do centro de Havana, ou mesmo dos bairros de elite de Pyongyang.

Reflita se o capitalismo é tão difícil de se defender ao ponto em que você precisa usar artifícios falaciosos para mostrar como é “bom” um sistema que permite a existência de centros superurbanos e bairros de elite em contraste com favelas e outros bairros muito pobres e degradados.

imagrs

18 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Marcus

agosto 31 2015 Responder

Posso pegar uma foto de um prédio iluminado da Coreia do Norte e de uma favela da Coreia do Sul e dizer que o comunismo é melhor que o capitalismo. E também posso fazer o contrário.

Posso pegar uma foto de uma favela de Detroit e de uma praia de Havana e dizer que o comunismo é melhor que o capitalismo. E também posso fazer o contrário.

Posso pegar uma foto feia do Brasil da década de 90 e uma bonita do atual pra dizer que o PT é melhor que o PSDB. E também posso fazer o contrário.

Enfim, que se debata usando argumentos, e não falácias facilmente derrubáveis.

    Tarantino

    agosto 31 2015 Responder

    Hahaha, gostei.

Tarantino

agosto 30 2015 Responder

O capitalismo é assentado na livre iniciativa, e existe (pelo menos em teoria) a igualidade jurídica entre os cidadãos, sendo o poder político e econômico separados entre si, havendo como consequência uma divisão social do trabalho, o que leva à participação de todos no sistema de trocas. O capitalismo, embora imperfeito, revelou-se como o sistema mais eficiente comparado aos outros, permitindo que mesmo os mais pobres tenham um padrão de vida razoavelmente bom em comparação aos outros sistemas.
O sistema de trocas sempre foi feito pela humanidade, porém, no capitalismo, há estímulo para o desenvolvimento de técnicas mais eficientes de produção, permitidas pela livre iniciativa. Quanto à questão do lucro, obviamente sempre existiu em todos os sistemas, mas em outros regimes, muitas vezes esse lucro provém do monopólio, e vem associado à coerção do consumidor. No capitalismo, o lucro é resultado do valor agregado aos produtos, que são valorizados pelo mercado, isto é, pelo consumidor, que tem livre escolha. O cliente é o centro das atenções, e é ele quem determina quais produtos serão extintos ou permanecerão.

Mas relevando-se todas essas teorias, creio que o que vale mesmo são as coisas na prática…pra bom entendedor, meia palavra basta.

Abimael

agosto 30 2015 Responder

Estou conhecendo agora,acho dá hora.

Caroline

agosto 29 2015 Responder

Muito bom esse texto, meu Deus. Muito obrigada por isso.

    Robson Fernando de Souza

    agosto 30 2015 Responder

    hehehe Brigadim, Caroline =)

Deyvison

agosto 29 2015 Responder

Texto interessante.

Bastante importante esta analise. Na sociedade atual imagens (previamente e minuciosamente selecionadas) dizem mais que estudos profundos ou realidades vivenciadas . Muitas vezes esquecemos que tudo isso não passa de propaganda e esta omiti e reforça certos aspectos, sempre a favor do que pretende promover ou negligenciar.

Fabricio

agosto 29 2015 Responder

Deve ser por isso que tanta gente foge dos estados unidos. enfrentando o mar do carribe num barquinho feitos de sucata pra ir morrar em cuba já que é proibido deixar o capitalismo e deve ser por isso que construíram aquele murro em Berlim porque o pessaol tava tudo fugindo pra parte oriental e socialista da cidade e o capitalismo não adimite isso.

João Victor

agosto 28 2015 Responder

A ideia do autor(a) não era discutir qual o melhor pra se viver, e sim mostrar a falácia
Vi uma imagem q fazia o contrário de mostrar uma cidade capitalista boa e uma comunista ruim.
Era uma da Coréia do norte linda maravilhosa, com uma cidade linda de fundo e coreanos rindo felizes (e sabemos que não é bem assim) e uma cidade americana caindo aos pedaços (não me recordo qual)
É a mesma falácia, porém usada do modo inverso

Renato Medeiros

agosto 28 2015 Responder

Falácia ou não eu nunca precisei de fotos pra entender q o comunismo eh um sistema MUITO pior q o capitalismo. O texto fala “Isso ao mesmo tempo em que cidades de países governados por políticos de esquerda seriam empobrecidas, antiquadas, malconservadas e decrépitas especificamente por estarem submetidos a um governo socialista.” E não são? Por acaso a Coréia do Norte é um país BOM de se viver? Eu reclamo muito do Brasil mas JAMAIS me mudaria para aquele regime BURRO comunista.

haroldo

agosto 28 2015 Responder

Robson
a segunda foto, coincidentemente é Doha, Qatar, em que milhares de operários morrem pra construir os estádios da Copa

Junior

agosto 28 2015 Responder

O pessoal da Alemanha Ocidental (capitalista) estava passando para o lado capitalita? Ou era o inverso?

O pessoal de Maiami foge para Cuba?

    Augusto

    agosto 28 2015 Responder

    Extremamente reducionista. Quantos não fogem e nem querem fugir pra Miami? Da mesma forma, o fluxo migratório de europeus em busca de trabalho na América latina é gigantesco. Quer dizer que América latina é mais desenvolvida? Ainda mais, africanos fogem de países capitalistas para outros países capitalistas na Europa. Isso quer dizer que capitalismo é melhor que capitalismo?

    Não obstante, perceba que em momento algum o autor defendeu um ou outro modelo. Apenas apontou a falácia existente em se utilizar fotos localizadas como argumento definitivo.

    Fred

    agosto 28 2015 Responder

    e você, já comprou sua casa em Miami?

    Pedro

    agosto 28 2015 Responder

    Antes de comentar algo, vá estudar história.
    O muro de Berlim foi construído pela Alemanha ocidental, justamente porque os moradores fugiam para o lado oriental/socialista. Somente nos últimos anos de existência da separação da Alemanha, isso se inverteu, e isso devido a uma série de ações tomadas para inviabilizar a Alemanha oriental e pesados investimentos externos na Alemanha ocidental para torna-la “melhor” que a oriental.

Viviane

agosto 28 2015 Responder

A Gillian parece mais velha pq é inglesa e deve ter começado a usar filtro solar tarde. A Nighella deve ser de família italiana, muito mais viçosa, que me desculpem as branquelas…

    Lélia Maisa Martins

    agosto 28 2015 Responder

    Na verdade a Nigella né inglesa também, mas é muito mais gorda que a outra. Você já viu gordo com ruga? Sei que não porque infelizmente eu sou, e não tenho a quantidade de rugas das pessoas da minha idade.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo