03

jan16

A contradição dos “indignados com os incomPTentes” que toleram políticos incompetentes de outros partidos
A "indignação" dos antipetistas contra os "incomPTentes" costuma proteger os incompetentes de outros partidos

A “indignação” dos antipetistas contra os “incomPTentes” costuma proteger os incompetentes de outros partidos

Tornou-se um costume muito comum no Brasil pessoas que se dizem “indignadas contra tudo o que aí está” se declararem “cansadas dos incompetentes do PT”, “carinhosamente” apelidados de “incomPTentes”. Mas se analisarmos bem a posição dessas pessoas perante o universo de políticos incompetentes que governam a União, os estados e os municípios, perceberemos que essas pessoas não são tão preocupadas assim com a falta de competência de grande parte dos governantes.

Pessoas assim costumam vociferar contra a gestão capenga empreendida pela presidenta Dilma Rousseff desde 2011 e piorada em 2015 e, no caso de paulistanos, também criticar com voracidade a prefeitura de São Paulo encabeçada por Fernando Haddad. Carimbam nos dois, assim como no ex-presidente Lula, o apelido de “incomPTentes”, e demandam que haja punição pesada contra os três, tanto por essa alegada ineficiência gestora como pelo suposto – e até o momento não provado – envolvimento dos presidentes petistas com corrupção.

Mas todo esse ódio preserva os gestores de outros partidos cujos governos também têm sido marcados pela mediocridade. Exemplos claros são os governos tucanos, como o de Geraldo Alckmin (estado de São Paulo), Beto Richa (Paraná) e Marconi Perillo (Goiás), sendo os três responsáveis por uma governança cambaleante, incapacidade de proteger as finanças de seus estados da crise nacional das contas públicas e medidas claramente antidemocráticas e literalmente violentas de desmonte da educação pública.

Também são poupados por grande parte dos “indignados contra os incomPTentes” os governadores e prefeitos de partidos como o PMDB, PSB, DEM, PPS, PROS, PTB, PP etc. Contra pessoas como Luiz Fernando Pezão (governador do Rio, do PMDB), Eduardo Paes (prefeito do Rio capital, do mesmo partido), Paulo Câmara (governador de Pernambuco, PSB), Geraldo Julio (prefeito de Recife, do mesmo partido), ACM Neto (prefeito de Salvador, DEM) etc., dedicam ou críticas leves e fracas, ou um cúmplice e anticidadão silêncio. Ou então uma pergunta protetora e acobertadora do tipo “E o desgoverno do PT?”.

O fato é que essas pessoas supostamente indignadas não estão realmente preocupadas com a maneira com que os chefes do Poder Executivo em geral têm conduzido o país. Mas sim com o fato de haver, no comando do governo federal, um partido que foram induzidos pela imprensa e por outros formadores de opinião de direita a odiar irracionalmente.

Não é um governo competente e transparente que querem. Mas sim, meramente, a derrubada do PT, mesmo que venha no lugar um governo ainda pior em termos de condução da administração pública.

Assim como a atenção seletiva contra a corrupção – algo que revela uma postura corrupta dos próprios “indignados” -, a revolta seletiva contra os incompetentes filiados ao PT também precisa ser percebida. Precisamos constranger as pessoas adeptas dessa falsa politização a perceber que não estão realmente lutando contra governos corruptos e incompetentes, e sim sendo induzidas a proteger e conservar a tradição política de governar não pelo bem da população, mas sim pelos interesses de poucos e por projetos pessoais de poder.

imagrs

2 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Newton

janeiro 8 2016 Responder

Concordo que TODOS os picaretas devam ser criticados.

Mas como é o PT quem está no poder, os aplausos ou vaias vão para eles.

Gustavo, anarquista bizarro.

janeiro 4 2016 Responder

Pelo que eu entendi você está pregando que, pelo fato de existirem outros governos incompetentes, não se pode achincalhar a porcaria do PT. É isso? Mesmo com o PT sendo governo federal e com uma responsabilidade extraordinária nas costas? Mesmo com a completa incapacidade de lidar com os problemas do País? Faça-me o favor, Robson. Ao invés de criticar quem está criticando a porcaria do nosso governo (sim, há muito hipócrita que critica o PT mas quer estar lá para roubar também), elabore textos que façam críticas aos governos citados em seu texto. Eles merecem críticas

E, Robson, neste texto e em outro recentemente postado, você argumenta que a Dilma não é corrupta, que ela não embolsou dinheiro público. É essa a sua definição de honestidade? Honestidade é não roubar? O PT, partido que nos anos 90 era imaculado, virou governo e passou a liderar um esquema de corrupção de proporção dificilmente imaginável, com comprovação de participação de várias figuras proeminentes. Você realmente acha que a Dilma não sabia de nada? Que ela não foi conivente em nome da maldita “governabilidade”? Quanto ao nosso querido líder sindical, será uma surpresa se for descoberto que ele SOMENTE foi conivente. O PT fez o maior estrago que poderia ter sido feito neste país. Criticar o PT em hipótese alguma é errado (o que pode haver, e há, são os hipócritas citados acima, que criticam corretamente pelo motivo errado).

O Brasil está no fundo do poço. De um lado a gente tem os direitopatas e do outro os esquerdinhas, nenhum consegue concatenar ideias de forma não falaciosa e com o mínimo de inteligência.

Eu tenho orgulho de, ao expor minhas opiniões, ser, quase que inevitavelmente, chamado de petralha pelos “de direita” e de reaça/coxinha pelos “de esquerda”.

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo