20

mar16

Agressões contra pessoas vestidas de vermelho nas ruas: cai a falsa bandeira da “liberdade de expressão” da direita
Publicitário é agredido por estar vestido de vermelho na Av. Paulista, em São Paulo

Publicitário é agredido por estar vestido de vermelho na Av. Paulista, em São Paulo

Essas últimas semanas, de radicalização da tensão e turbulência política no Brasil, têm sido de aumento da violência por motivos de intolerância partidária. Têm sido relatados com uma assustadora frequência casos de agressão física e/ou verbal e ameaças, por parte de direitistas fanáticos, contra pessoas que estavam simplesmente vestidas de vermelho ou com “cara de petista”, independente de apoiarem ou não o PT ou o impeachment de Dilma Rousseff. Considerando que a direita costuma se dizer defensora da liberdade de expressão, mas tem se omitido perante tais casos ou mesmo os tem consentido, podemos dizer com segurança que essa bandeira reivindicada por ela se revelou como falsa e caiu.

Todos esses episódios de violência política têm como base a intolerância e negação à liberdade de expressão do outro, do suposto opositor. Não se tem permitido que as pessoas que apoiam o PT ou simplesmente gostam de roupas vermelhas exerçam suas liberdades de vestir o que quiserem e pensar e defender a posição política que bem entenderem – desde que não viole os Direitos Humanos nem seja contra a democracia.

Diante dessa intolerância rasgante vinda de uma minoria da massa de defensores da queda do PT, os formadores de opinião de direita, inclusive os “liberais”, têm se calado. Nenhuma declaração de direitistas assumidos e think tanks aliados tem repudiado a onda de violência, pregado a tolerância mútua e defendido que as pessoas tenham o direito de vestir a cor que quiserem e de expressar crenças e ideias que discordem do que a direita crê.

O contrário, aliás, é que se pode ver. Não necessariamente incitações diretas e explícitas ao ódio, mas sim páginas, blogs, colunas e veículos de mídia como um todo colocando mais lenha na fogueira, intencionando inflamar ainda mais os ânimos de sua já fanatizada audiência. Mantêm o bombardeio de matérias contra Dilma, Lula e o PT, sem nenhum senso de responsabilidade. Não estão nem aí se o fluxo de notícias que jogam para o público está sendo vetor do crescimento do ódio e dos ataques contra pessoas vestidas de vermelho ou com “cara de quem defende o PT” nas ruas. Consentem e fomentam a violação recorrente de uma das liberdades individuais mais supostamente defendidas pela própria direita.

Março de 2016 foi o mês em que a direita assumiu que não defende coisa nenhuma a liberdade de expressão e não está nem aí para as liberdades individuais dos cidadãos – mesmo aquelas que viabilizam a existência da própria direita e a protege de ser criminalizada. Tais liberdades só lhe interessam quando a beneficiam. Então, deixemos-lhe claro: se ela só aceita a livre expressão de quem é dos seus, que deixe, de uma vez por todas, de dizer que a defende como um direito, uma liberdade ou algo similar. Assuma que é indiferente ou favorável à violação das liberdades de quem pensa diferente dela ou não se comporta como ela espera e deseja.

imagrs

2 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Recordar é viver

março 30 2016 Responder

Engraçadinho. Agora coloca ai todos os tweets racistas que os petistas já colocaram chamando o Joaquim Barbosa de macaco.

Thiago

março 20 2016 Responder

Olá,
não precisa nem publicar o comentário, só queria mostrar essa página, como a direita faz de tudo pra contemporizar com a sua violência:
https://www.facebook.com/fanficdeesquerda/?hc_location=ufi

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo