07

set16

No que deu a educação doméstica e “cristã” conservadora no Brasil?
Discursos de ódio: Isso foi o fruto da tão falada e defendida "educação conservadora", inclusa a "religiosa"

Isso foi o fruto da tão falada e defendida “educação conservadora”, inclusa a “religiosa”

Certamente você percebeu isso também.

Ao mesmo tempo em que a direita tem ganhado força no Brasil, a internet, a mídia, as ruas e também milhões de lares estão mais repletos de ódio e intolerância.

Tem sido uma direita que, avessa ao conhecimento intelectual e ao debate civilizado e construtivo, não propõe quase nada que traga melhorias, preferindo ser contra tudo que desafie o status quo e impor o desmonte de tudo aquilo que a esquerda conquistou em décadas.

E não tem economizado esforços em exercer esse “contra” com violência verbal e física, incitação à discriminação, propagação de mentiras e calúnias, autoritarismo explícito, analfabetismo político e apoio declarado a muitos crimes cometidos pela polícia em sua atuação.

Diante disso tudo, nos perguntamos: é esse o fruto da educação doméstica e religiosa conservadora que essas pessoas, hoje tão cheias de ódio, receberam ao longo de suas décadas de vida?

 

O cenário de violência política

Manifestantes defensores do golpe contra Dilma Rousseff agridem rapaz vestido de vermelho na Avenida Paulista, em São Paulo

Manifestantes defensores do golpe contra Dilma Rousseff agridem rapaz vestido de vermelho na Avenida Paulista, em São Paulo

Têm sido abundantes as manifestações dessa cultura de violência política que tem crescido juntamente com a direita parlamentar, midiática e ativista.

Entre um número muito grande, posso listar:

  • Ódio e intolerância múltiplos: contra mulheres (em especial feministas), pessoas negras, indígenas, homossexuais, bissexuais, travestis e transexuais, movimentos sociais, pessoas pobres ou de origem pobre, nordestinos (no Sul e Sudeste), imigrantes de países pobres, minorias religiosas, ateus, militantes de esquerda etc.;
  • Agressões físicas e verbais nas ruas, dentro de casa e na internet, bastando em alguns casos as vítimas estarem vestidas de vermelho;
  • Desprezo e mesmo aversão aos mais elementares valores da democracia;
  • Maniqueísmo: “nós cidadãos de bem” vs. “eles vagabundos do mal”;
  • Propagação de boatos, calúnias e difamações;
  • Aplausos a violações dos Direitos Humanos, da Constituição e da própria lei penal;
  • Aversão ao debate civilizado e preferência pela agressão intolerante;
  • Repulsa pelo conhecimento intelectual, mesmo aquele vindo de autores da própria direita;
  • Deturpação e violação de valores ético-morais religiosos, inclusos os cristãos;
  • Intolerância e bullying entre crianças;
  • Aumento substancial da insegurança para minorias políticas e pessoas de esquerda nas ruas e mesmo dentro de casa;
  • Apologias e incitações a diversos tipos de crime, com a finalidade de calar à força a esquerda e as minorias políticas insubmissas e “manter a ordem”;
  • Defesa desavergonhada da ditadura militar, da tortura e da censura;
  • Ameaça constante de eliminação e revogação de direitos sociais, políticos e trabalhistas;
  • Desagregação violenta de famílias por motivos como homo e lesbofobia, transfobia, intolerância religiosa, misoginia antifeminista e ódio político;
  • Agravamento da corrupção na política, nas instituições públicas, nas empresas privadas, nos costumes (“jeitinhos”, subornos, desrespeito a idosos e pessoas com deficiência etc.).

Tudo isso tem acontecido, curiosamente, vindo de pessoas que juram estar defendendo a ordem, a moral, os bons costumes e os valores cristãos.

 

Quando os próprios autointitulados “defensores da moral cristã” são imorais e anticristãos

Praticantes da Palavra cristã

Considerando que aproximadamente 90% da população brasileira se declara cristã, presume-se que a grande maioria dos coautores de todas essas violências se diz adepta dessa religião. Mas pelo visto sua única cristandade é a posse de uma bíblia, a obediência a padres e pastores, o hábito da oração e o frequentamento de cultos e missas.

Isso porque um dos mais importantes pilares da religião (ao lado da crença nas narrativas e dogmas sagrados), os valores morais, é violado todos os dias na nossa sociedade. Não por pessoas que não partilham das crenças do cristianismo, mas sim pelos próprios autorrotulados “cristãos”.

A maioria dos ensinamentos de Jesus Cristo são ignorados, desobedecidos ou mesmo repudiados por quem, ao invés de cumprir o compromisso de entendê-los e segui-los, promove o mais raivoso desamor.

São muitos os exemplos de violação da moral cristã por aqueles que juram defendê-la mas na prática a repudiam. Listo abaixo os ensinamentos de Jesus e seus apóstolos frequentemente jogados no lixo pelos adeptos da intolerância de direita:

  • Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus. (Mateus 5:44)
  • O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. (João 15:12)
  • É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que entrar um rico no reino de Deus. (Marcos 10:25)
  • Disse-lhe Jesus: “Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me.” (Mateus 19:21)
  • Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra. (Mateus 5:5)
  • Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia. (Mateus 5:7)
  • Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos. (Mateus 5:6)
  • Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. (Mateus 5:10)
  • E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: “Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela.” (João 8:7)
  • Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam. Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. (Mateus 6:19-20)
  • “Mostrai-me a moeda do tributo.” E eles lhe apresentaram um dinheiro. E ele diz-lhes: “De quem é esta efígie e esta inscrição?” Dizem-lhe eles: “De César.” Então ele lhes disse: “Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus.” (Mateus 22:19-21)
  • E achou no templo os que vendiam bois, e ovelhas, e pombos, e os cambiadores assentados. E tendo feito um azorrague de cordéis, lançou todos fora do templo, também os bois e ovelhas; e espalhou o dinheiro dos cambiadores, e derribou as mesas. E disse aos que vendiam pombos: “Tirai daqui estes, e não façais da casa de meu Pai casa de venda.” (João 2:14-16)
  • E, entrando no templo, começou a expulsar todos os que nele vendiam e compravam, dizendo-lhes: “Está escrito: A minha casa é casa de oração; mas vós fizestes dela covil de salteadores.” (Lucas 19:45,46)
  • Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós. E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: “Deixa-me tirar o argueiro do teu olho”, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão. (Mateus 7:1-5)
  • Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento. (Lucas 15:7)
  • Mas os príncipes dos sacerdotes e os anciãos persuadiram à multidão que pedisse Barrabás e matasse Jesus. E, respondendo o presidente, disse-lhes: ”Qual desses dois quereis vós que eu solte?” E eles disseram: “Barrabás.” Disse-lhes Pilatos: “Que farei então de Jesus, chamado Cristo?” Disseram-lhe todos: “Seja crucificado.” O presidente, porém, disse: “Mas que mal fez ele?” E eles mais clamavam, dizendo: “Seja crucificado.” (Mateus 27:20-23)
  • Se alguém diz: “Eu amo a Deus”, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também a seu irmão. (Apóstolo João) (1 João 4:20,21)
  • Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitado, lhe cerrar as suas entranhas, como estará nele o amor de Deus? (Ap. João) (1 João 3:17)

Considerando todos esses ensinamentos, eu sugiro que você leia, se tiver nervos de aço, uma página que se diz “de direita” e se sustenta por incitar o ódio a quem é e/ou pensa diferente, assim como alguns comentários ali.

Você perceberá que o amor de Jesus está simplesmente ausente do coração desses “cristãos” que a administram, e também do dos que ali rogam impropérios contra quem não é desejado na ordem social almejada por eles. Isso por mais que essas pessoas acusem ateus e outros não cristãos por serem “maus”, “imorais” e “pecadores” por “não terem Deus no coração”.

Por mais que se digam “seguidores de Cristo”, comportam-se de uma maneira que, se a acreditada Segunda Vinda acontecesse hoje, chamariam o Messias de “comunista”, “vagabundo” e “inimigo dos cidadãos de bem”. E o entregariam à polícia para ser torturado e crucificado de novo, agora por um governo de direita.

 

Uma educação doméstica fracassada

Educação doméstica, por Quino

Fico pensando, quando vejo reacionários extravasando tanto ódio, desamor, autoritarismo e ímpeto de violência e ameaçando a própria ordem que eles dizem defender, sobre a educação doméstica que essas pessoas tiveram.

Fica evidente, a cada discurso de preconceito, ato de discriminação, incitação e apologia ao crime, compartilhamento de denúncias falsas, postura de intolerância contra o diferente, que a educação moral conservadora que receberam de sua família e parentes, em sua infância e adolescência, foi um completo fracasso.

Percebemos que os pais dos intolerantes e autoritários de hoje não os fizeram aprender noções básicas de civilidade, cidadania e ética. Respeito ao próximo, humildade, bons modos, honestidade, empatia, tratar outras pessoas como gostaria de ser tratado, compaixão por quem sofre… Nada disso essas pessoas parecem ter trazido de seu lar original.

Mesmo a educação religiosa cristã lhes foi um fiasco retumbante. Pelo visto, nem os pais que se diziam “fiéis a Cristo”, nem os parentes que iam à missa ou ao culto toda semana, nem a própria igreja que se supunha trazer orientação moral e ajudar os devotos a propagarem a “paz do Senhor”, ensinaram suas crias a serem adolescentes e adultos dignos e de bom caráter.

Afinal, se tornaram “cristãos” que odeiam o amor do próprio Cristo. E hoje esbanjam ódio ao próximo, egoísmo, arrogância, julgamentos maliciosos, maniqueísmo, ímpeto de traição, hipocrisia, sede de poder e apego máximo ao dinheiro e aos bens materiais.

 

Um possível remédio para o reacionarismo de “cristãos” de direita

Cristo peita os falsos cristãos

Essa onda de violência deixa claro: a direita brasileira, dos políticos aos “cidadãos de bem”, só está forte porque há uma devastadora crise ética em andamento.

Não por culpa da esquerda, que nunca chegou de fato ao poder no Brasil – nem por meio de Lula, que empreendeu políticas de centro e não peitou a elite econômica e as corporações pentecostais. Tampouco em razão da diversidade de credos, que só tem coisas boas a trazer para a sociedade.

Mas sim porque o conservadorismo da sociedade foi um completo fracasso como defensor “da moral e dos bons costumes”.

A educação doméstica conservadora não fez as crianças das décadas passadas se tornarem bons adultos. Mas sim, em grande parte, pessoas perigosas que não hesitam em fazer o mal ao próximo em nome de sua posição política e mesmo “de Deus”.

Percebendo isso, eu acredito que uma possibilidade para desarmar psicologicamente aqueles que se assumem reacionários ou agem como tal é constrangê-los a partir de suas próprias crenças religiosas. É falar a língua deles, mostrando-lhes o quanto se desviaram dos ensinamentos de seu próprio Deus.

Lembro que os “cristãos” de direita gostam muito de usar versículos bíblicos para tentarem justificar crenças morais totalmente incompatíveis com o nosso tempo, como a homofobia, a intolerância religiosa, a mescla entre Estado e religião e o ultraconservadorismo.

Cabe então, aos cristãos que permanecem fiéis aos ensinamentos éticos dos Evangelhos, responder-lhes mostrando os versículos de autoria de Jesus que eles desrespeitam em suas ações sociopolíticas. Se os intolerantes reivindicam tanto “educação moral e religiosa”, que recebam então essa instrução para perceberem seus próprios erros e pecados.

Essa é uma das possibilidades entre uma série de posturas que a parcela politicamente lúcida da sociedade pode tomar para deter essa onda de radicalismo de direita que ameaça o pouco que ainda temos de democracia, justiça, direitos e liberdades.

imagrs

8 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Ana Dourado

outubro 11 2016 Responder

Adorei o post. Como não conheci esse blog antes? ?

    Robson Fernando de Souza

    outubro 12 2016 Responder

    Gratidão, Ana. ^^

haroldo

setembro 13 2016 Responder

ooooobrigaaado pelo trabalho, Robson

    Robson Fernando de Souza

    setembro 14 2016 Responder

    Valeeeeeeu, Haroldo ^^

Newton

setembro 8 2016 Responder

Intolerância e ignorância não são privilégios nem de esquerdistas e nem de direitistas, rs…
Mas o que temos visto são manifestações com mais de 1 milhão de pessoas supostamente de direita nas quais não houve depredações e nem feridos, em contraponto a manifestações muito menores numericamente, supostamente de esquerda, nas quais houveram feridos e depredações. Veja bem, não defendo nenhum lado, apenas exponho os fatos. E os fatos dizem que o público predominante nos dois tipos de manifestações têm comportamentos opostos.
Quanto à questão do status quo… bem, até agora quem está brigando com unhas e dentes para se manter no poder é a esquerda.

    Fabricio

    outubro 25 2016 Responder

    Bom, ignorância e preconceito não é privilégio da esquerda… Mas para direita é um modo de vida.

Nathalie

setembro 7 2016 Responder

Este post arrasou. Desconstruir pensamentos enraizados no imaginário popular é uma tarefa difícil, d grande intelectualidade. Espero voltar a trabalhar em breve, e poder voltar a colaborar com este blog, q traz um trabalho d reflexão muito importante.

    Robson Fernando de Souza

    setembro 8 2016 Responder

    Obrigado =)

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo