15

jan18

Que legado você pretende deixar para o mundo? Uma reflexão para pessoas adeptas de discursos preconceituosos e egoístas

Que legado deixar para o mundo?

Você sonha em deixar um legado positivo para o mundo?

Mas, ao mesmo tempo, tem promovido discursos preconceituosos, alguns até de ódio, e aceitadores ou defensores explícitos da exclusão social de pessoas pobres e de minorias políticas?

Então convido você a refletir, com a ajuda deste artigo, sobre o contraste entre o mundo que você quer ajudar a construir e o que você está fazendo hoje para os seres humanos.

 

As consequências de se fomentar ódio e preconceito para o futuro da humanidade

Crianças na miséria

Miséria infantil, um dos legados deixados por quem defende ou reproduz ódio, preconceiito e egoísmo

Se você diz sonhar com um mundo melhor, livre da pobreza, do desamor e da corrupção, então preciso dizer: o primeiro passo de realizar esse sonho é expurgar de suas crenças e emoções o preconceito e a aversão por quem é diferente de você e a convicção de que a miséria e as desigualdades sociais extremas são algo “natural”.

Afinal, esses pensamentos estão fazendo você contribuir não para realizar, mas sim inviabilizar esse futuro evoluído.

Pois, quando você promove machismo, racismo e elitismo, argumenta que é “da natureza humana” coexistirem multibilionários e pessoas em miséria extrema e declara repulsa às LGBTs, aos movimentos sociais, à cultura negra da periferia e a quem tem convicções ideológicas diferentes da sua, entre outros comportamentos do tipo, está:

  • Tornando muito menos feliz e prazerosa a vida daqueles que estão no alvo de seu preconceito e intolerância;
  • Trazendo constrangimento, tristeza, vergonha, auto-ódio, angústia e sofrimento para aqueles a quem você dedica preconceito;
  • Erodindo a autoestima dessas pessoas;
  • Condenando, e contribuindo para suprimir, as liberdades individuais alheias;
  • Consentindo e proporcionando que a miséria, a favelização e a concentração extrema de renda e riqueza continuem existindo;
  • Carregando o mundo com um sofrimento totalmente desnecessário;
  • Tornando o mundo mais chato e insalubre e menos livre e feliz – afinal, não se pode nem mais ser quem é, nem considerar a diversidade humana algo bom, sem que alguém venha recriminar e odiar a pessoa que tenta ser livre e diferente;
  • Impedindo que bilhões de pessoas realizem seus sonhos – considerando que a pobreza e as privações sociais são obstáculos para os sonhos da maioria dos seres humanos;
  • Adiando indefinidamente o dia em que o mundo se tornará um lugar de paz, liberdade, respeito, decência, harmonia e alegria.

É essa carga de sofrimento, violência e dor que você deseja deixar ao mundo como herança?

 

Que mundo você quer deixar?

Você deseja um mundo melhor?

Diante disso, convido você a pensar: que mundo você quer construir, no qual as próximas gerações – e você mesmo, caso ainda tenha muitos anos de vida pela frente – vivam?

Um mundo cheio de guerras motivadas por intolerâncias diversas, escorchado pelo ódio, marcado pela escassez de solidariedade, com seus ambientes naturais apocalipticamente destruídos, com uma humanidade que vive à base do cada um por si e salve-se quem puder, com as pessoas não gostando legitimamente umas das outras, com as religiões não mais tornando as pessoas boas, compassivas e solidárias?

Ou um em que reine a paz, a ordem, a harmonia, o respeito ao próximo, a moralidade, a boa convivência entre os seres humanos, e os sonhos dos indivíduos – entre eles, você – por um futuro brilhante não tenham mais tantas dificuldades e obstáculos para serem conquistados?

Saiba que esse mundo do futuro depende essencialmente de você. Afinal, já hoje suas ações afetam a vida de outras pessoas, para o bem ou para o mal. E cabe a você decidir, a partir de agora, se sua participação será boa, pela felicidade e liberdade dos seres humanos, ou , dedicada a causar sofrimento, impedir a realização de sonhos e alimentar a miséria do mundo.

A escolha é sua. Se optar pelo bom caminho, a primeira coisa que você precisará fazer é abandonar os sentimentos e crenças intolerantes e violentos de sua vida – e não é preciso, por exemplo, deixar de ser de direita para isso. E, em seguida, começar a tratar com sincero respeito e bem-querer quem é e pensa diferente de você.

É esse tipo de atitude que poderá trazer para a realidade o sonho de um futuro melhor para você, as pessoas que você ama e o mundo como um todo.

imagrs

1 comentário(s). Venha deixar o seu também.

Yonathan

Março 25 2018 Responder

Acabei de entrar para o exército porque não tinha emprego… Menti em dizer que tenho problemas físicos de saúde. Tem algum jeito de eu ser desligado sem ser preso por transgressão?

Sua opinião é bem vinda, desde que respeitosa. Fique à vontade para comentar abaixo