Artigo
19

maio 2014

Provavelmente páginas como a TV Revolta já publicaram esta imagem. Mas perceba como a frase se aplica a elas próprias.

Provavelmente páginas como a TV Revolta já publicaram esta imagem. Mas perceba como a frase se aplica a elas próprias.

Este artigo é para você que tem acreditado que páginas como TV Revolta, AnonymousBrasil, Revoltados Online e MCC – Movimento Contra Corrupção são “revolucionárias” e pretendem mudar o Brasil e “tirá-lo da lama”. E que crê que essas páginas representam o avanço da politização e da cidadania engajada no país. Sinto em dizer, mas essas crenças são um engano. E tais páginas não são um indicativo de evolução política da sociedade brasileira, muito pelo contrário. Politização e usufruto de prerrogativas democráticas são outra coisa, outro caminho bem distinto – e elas querem impedir, e não possibilitar, que isso se consolide. (mais…)

6 Comentários

-

Leia mais aqui

    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/andreortega/public_html/wp-content/themes/momentum/archive.php on line 51
05

abr 2014

Imagem machista publicada por página que se diz Anonymous ridiculariza atenção dada pela sociedade à pesquisa do IPEA que alertou para a porcentagem de pessoas que concordam que "mulher com roupa curta merece ser atacada"

Imagem machista publicada por página que se diz Anonymous ridiculariza atenção dada pela sociedade à pesquisa do IPEA, aquela que alertou para a porcentagem de pessoas que concordam que “mulher com roupa curta merece ser atacada”, para fazer campanha reacionária contra o Marco Civil da Internet

Uma página facebookiana que se autointitula “AnonymousBrasil” está sujando o nome dos Anonymous, usando-o para fazer campanhas pró-reacionárias e pisoteando causas de Direitos Humanos. A imagem machista acima (fonte), postada no começo da tarde de ontem, ridiculariza a atenção que a sociedade tem dado à pesquisa do IPEA que alertou que uma grande parcela da população brasileira concorda que mulheres usando roupa curta “merecem ser atacadas” – ou seja, estupradas -, tentando tirar do grave problema da cultura de estupro a atenção da sociedade e desviá-la para ser contra o Marco Civil da Internet. (mais…)

4 Comentários

-

Leia mais aqui