Artigo
24

nov 2014

"Respeitemos a vida", menos quando se tratar da vida de uma mulher, de uma criança já nascida, de um indivíduo morto pela violência policial, de uma pessoa especialmente vulnerável a crimes de ódio etc.

“Respeitemos a vida”, menos quando se tratar da vida de uma mulher, de uma criança já nascida, de um indivíduo morto pela violência policial, de uma pessoa especialmente vulnerável a crimes de ódio etc.

Uma das mais conhecidas supostas bandeiras do “movimento” conservador e reacionário brasileiro é a “defesa da vida”, traduzida como oposição incondicional ao direito da mulher à escolha entre o aborto e a continuação da gravidez. Com o pretexto de “defender vidas de crianças (sic)”, impedem o avanço da legalização dos abortos e até tentam revogar os poucos casos em que eles já são autorizados pela lei. Mas é fácil perceber que essa dita convicção “pró-vida” nada traz além de morte e sofrimento a seres já nascidos, desprezo às crianças que nascem depois de terem sido “salvas” da possibilidade do aborto, dedicação zero a tantas outras vidas sencientes, humanas ou não, e, sobretudo, misoginia.
(mais…)

2 Comentários

-

Leia mais aqui

    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/andreortega/public_html/wp-content/themes/momentum/archive.php on line 51
04

set 2012

A irresponsabilidade ética e publicitária ao autorizar um anúncio de entidade religiosa fundamentalista não foi exclusiva da Folha de Pernambuco. O Diario de Pernambuco também cometeu a presepada, divulgando anúncio da mesma entidade fundamentalista “Pró-Vida PE”, “mas” com outro tema: a criminalização do direito da mulher de decidir sobre seu próprio corpo – em outras palavras, a tradicional oposição ao aborto.

Foto retirada da notícia do site da Exame, mas em circulação no Facebook

A propaganda, divulgada no último domingo dia 2, foi “diferente”, mas a falta de senso de responsabilidade publicitária foi a mesma. Não só se divulga a defesa dos fundamentalistas de criminalizar o direito da mulher de abortar em casos em que a criação do bebê não encontra condições psicológicas e socioeconômicas de se prover, mas também dá-se espaço de mídia – portanto, uma forte voz – ao fanatismo religioso e à intromissão do mesmo em questões concernentes ao Estado e aos direitos alheios. (mais…)

Nenhum Comentário

-

Leia mais aqui