Antimilitarismo

    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/andreortega/public_html/wp-content/themes/momentum/archive.php on line 51
13

jun 2013

Foto de Sebastião Moreira/EFE

PMs agem com violência pesada contra cidadãos inocentes. Foto de Sebastião Moreira/EFE

Atualiado em 17/06/13

São Paulo e outras cidades estão em insurreição popular, com milhares de pessoas em cada cidade protestando contra os aumentos das passagens de ônibus, trens e metrôs. E a polícia militar, abençoada por pessoas do PT como o ministro da “Justiça”, está agindo com violência característica de ditaduras. Soma-se essa brutalidade fascista da PMESP ao panorama de descaso dos governos petistas, incluso o federal, para com os Direitos Humanos, e tem-se a conclusão de que o Partido “dos Trabalhadores” se vendeu, aderiu à direita e se degenerou em farsa. (mais…)

11 Comentários

-

Leia mais aqui

    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/andreortega/public_html/wp-content/themes/momentum/archive.php on line 51
06

jan 2013

As férias que eu havia dito que daria ao Consciencia.blog.br estão “canceladas”, já que o influxo de assuntos a falar se intensificou nesse período que “deveria” ser de descanso do blog.

onibus-do-recife

Hoje as passagens de ônibus no Recife e região metropolitana aumentaram de novo, numa média de 5,53% de inflação. As passagens mais comuns, A e B, passaram respectivamente de R$2,15 e R$3,25 para R$2,25 e R$3,45. As passagens de metrô deverão aumentar também, em breve. A decisão contraria as condições financeiras da população, desproporcionaliza cada vez mais a relação tarifa-qualidade do transporte público – ao vir sem uma contrapartida de melhorias generalizadas na qualidade, nem que fosse a instalação e ar-condicionado nos ônibus – e exclui cada vez mais pessoas do transporte público.

Essa exclusão se dá tanto induzindo uns a comprar carros na ilusão de que irá economizar dinheiro como empurrando aqueles que, sem o VEM Trabalhador (bilhete eletrônico pago pela empresa de quem tem emprego formal) estão perdendo a condição de pagar para andar de ônibus, para o uso da ainda marginalizada bicicleta, cujo uso como meio de transporte principal ainda enfrenta dificuldades e obstáculos perigosos pelo Grande Recife. (mais…)

Nenhum Comentário

-

Leia mais aqui

    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/andreortega/public_html/wp-content/themes/momentum/archive.php on line 51
14

abr 2011

Pouco mais de um ano e dois meses depois do assassinato de Alcides do Nascimento, foi a vez de Fernanda Mateus. Em ambas as vezes, os grandes jornais de Pernambuco expuseram, de forma amplificada, toda a dor não só de família e amigos das duas vítimas da violência urbana que castiga a população. Inflamaram a indignação da sociedade. Fizeram-na se revoltar ainda mais com o constante clima de insegurança e a incerteza se vai voltar para casa são e salvo. Mas isso tem um outro lado.

Quando o povo, ou pelo menos uma pequena fração dele, vai às ruas para externalizar sua insatisfação com o estado de coisas, o qual inclui o “mando” dos bandidos e a perspectiva de se perder mais outros Alcides e Nandas, parte dos mesmos jornais que o incitaram à revolta passam a criticar a ação dos próprios revoltados.

Em outras palavras, os mesmos jornais que incham o povo com notícias ardentes e revoltantes não o deixam estourar. Incitam a revolta com um motivo, mas não deixam que as pessoas se revoltem nas ruas com essa mesma causa. E isso talvez se aplique a qualquer situação, desde os jovens que a bandidagem mata até a passagem de ônibus que aumenta. O que, afinal, querem de nós?

Megafonam nos nossos ouvidos que é inadmissível deixar mais jovens morrerem por força das armas, que a exclusão social é uma doença da sociedade ou que o aumento das passagens não é algo tolerável. Mas se voltam contra nós quando protestamos nas ruas a gritar que não toleramos aumentos de preços e assassinatos, que não queremos mais atos estatais pró-exclusão – vide a expulsão dos ambulantes do Centro do Recife – ou que queremos segurança pública com mais poder de ação.

Ainda não tivemos manifestações nas ruas contra o fim que levam Nanda, Alcides e centenas de outros que deixaram de ter uma vida toda pela frente, mas nos exemplos que existiram – o aumento das passagens de ônibus e a limpeza social anticamelô de diversas ruas do centro recifense –, o Diario de Pernambuco, exemplo mais nítido dessa atitude contraditória, reprimiu ideologicamente os protestos causados pelas notícias que ele próprio veiculou (não exclusivamente).

Alusões enormes aos engarrafamentos e à insatisfação de parte da população pela interrupção do trânsito. Atenção ínfima e com muita má vontade às razões dos estudantes e trabalhadores que foram às ruas contra o reajuste e a expulsão. Só faltou chamar os manifestantes de “baderneiros” e “vagabundos” e incitar a polícia à repressão deliberada em prol da “ordem”.

Diante desse comportamento manipulador, anticidadão e até antidemocrático, me pergunto se o DP vai usar esse mesmo comportamento contra, digamos, os estudantes de universidades que hipoteticamente forem à Avenida Conde da Boa Vista exigir segurança e punição máxima contra os assaltantes e assassinos de universitários como os dois citados acima.

É aí que me pergunto: se formos às ruas para reagir contra o destino dos assassinados com que essa imprensa escrita nos faz compadecer, será que ela vai se voltar contra nós de novo? Será que esse inchaço jornalístico dos crimes que chocam a sociedade é para mobilizar somente as autoridades, não também a população?

Nenhum Comentário

-

Leia mais aqui