Artigo

    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/andreortega/public_html/wp-content/themes/momentum/archive.php on line 51
28

dez 2010

No começo da última semana de 2010, tivemos protestos em todo o Brasil, incluindo no Recife, contra os aumentos de a partir de 62% nos salários dos poderes Legislativo e Executivo em Brasília. A cobertura da mídia pelo Brasil geralmente foi de morna a fria, muitas vezes enfatizando as poucas colateralidades violentas dos protestos que pretenderam ser – e foram, via de regra – pacíficos. Mas chamou atenção negativa a forma como o Diario de Pernambuco (DP), o mais tradicional jornal do Norte-Nordeste e um dos mais antigos da América Latina, tratou a manifestação recifense.

O DP mostrou como parte importante da mídia brasileira investe na desmobilização sociopolítica, no conformismo e na não-cidadania dos seus leitores, forma opiniões contrárias a qualquer iniciativa de protesto e abalo pacífico da ordem contra o estado de coisas corrente. Para jornais como esse, o mais importante não é a demonstração de cidadania e inconformismo que tais manifestações são, mas sim o “tumulto”, a “perturbação da ordem”, os engarrafamentos. Se tiver algum incidente violento, por mais isolado e colateral que seja, o ocorrido é fortemente explorado para se aumentar a rejeição dos leitores à atividade como um todo.

Já no título da notícia – “Manifestação tumultua centro” –, situada na página A6 do DP de 28/12/2010 – dia seguinte à manifestação nacional –, percebemos a rejeição veemente do jornal ao protesto do Recife. Importavam menos a própria passeata e seus motivos do que o fato dela ter interrompido o trânsito e irradiado barulho (apitos e gritos de guerra) pelo velho centro da cidade.

A descrição da manifestação de 27/12, que começou “de verdade” no segundo parágrafo, após o anúncio de uma aparição de manifestantes no discurso de despedida de Lula, nada favoreceu o protesto. Ficou enfatizado que os manifestantes teriam sido um número pequeno – menos de cem, embora tenha aparentado que os repórteres não contaram os nomes nas atas de presença – e mesmo assim “fizeram barulho e congestionaram o trânsito”. Ou seja, teriam sido os manifestantes fracos em número mas muito irritantes. (mais…)

Nenhum Comentário

-

Leia mais aqui