Artigo
20

abr 2016

O cuspe de Jean Wyllys: coragem, resistência, indignação, um grito de basta em alguns mililitros de saliva

O cuspe de Jean Wyllys: coragem, resistência, indignação, um grito de basta em alguns mililitros de saliva

No show de horrores do último domingo, em que foi aprovado pela maioria da Câmara dos Deputados o impeachment de Dilma Rousseff, sobressaiu-se um acontecimento ao qual estão dando importância exagerada. Jean Wyllys, conhecido por sua militância em defesa dos Direitos Humanos, deu uma cusparada em Jair Bolsonaro – mas infelizmente errou o alvo – depois deste ter defendido o torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra, que aterrorizou e assassinou presos políticos durante a ditadura militar. Surgiram diversas comparações entre a apologia ao crime de tortura por parte de Bolsonaro e o cuspe de Jean, que nada são além de falsa simetria e tentativas de relativizar um discurso de ódio. (mais…)

5 Comentários

-

Leia mais aqui

    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/andreortega/public_html/wp-content/themes/momentum/archive.php on line 51
20

abr 2013

voto-de-repudio

O vereador de Carpina (PE) Tota Barreto acreditou na calúnia que criaram contra o deputado federal Jean Wyllys, segundo a qual ele teria dito que cristãos seriam palhaços e igrejas circos, e fez com que a Câmara de Vereadores do município aprovasse unanimemente um “voto de repúdio” contra a inexistente declaração dele.

Chamado de “Jean Willis” no documento, o deputado, cada vez mais renomado por sua luta pelos Direitos Humanos, teve colocadas em sua boca palavras de hostilidade contra cristãos – de que eles seriam “palhaços” e suas igrejas seriam “circos”. Palavras essas que ele já negou ter proferido (aqui e aqui também) e cuja veracidade não pode ser provada.

Nesse voto de repúdio, os vereadores da Câmara Municipal de Carpina foram os que agiram como palhaços, ao darem legitimidade a algo que já foi comprovado como mentira, pagando mico para o Brasil inteiro como um lugar de pessoas crédulas que sequer sabem distinguir declarações políticas de lendas de internet.

2 Comentários

-

Leia mais aqui