Antimilitarismo
18

jul 2014

Plenário do Senado

Ao invés de políticas sociais estruturais que previnam que pessoas caiam na criminalidade, mais polícia e força de repressão. Essa é a postura do Congresso Nacional, que aprovou, no Senado, nessa semana, um projeto de lei complementar que dá poderes de polícia às Guardas Municipais.

O pretexto da aprovação do projeto é que, a partir de sua sanção, guardas municipais poderão “proteger a vida” das pessoas, “colaborar com os órgãos de segurança pública em ações conjuntas, contribuir para a pacificação de conflitos [e] fiscalizar o trânsito e expedir multas”. Essa alegada intenção agrada a quem pouco entende da relação síncrona entre desigualdades sociais e ocorrência de crimes, mas é percebida como desagradável e inadequada quando pensamos que o Estado no Brasil continua priorizando forças policiais em detrimento de políticas sociais que previnam a formação de criminosos civis. Também é possível que vejamos, caso essa lei passe, guardas municipais auxiliando as PMs na repressão contra protestos de rua. (mais…)

2 Comentários

-

Leia mais aqui

    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/andreortega/public_html/wp-content/themes/momentum/archive.php on line 51
13

fev 2014

Desconfie do discurso de quem defende ao mesmo tempo "menos Estado" e mais polícia/exército. Discursos assim não são pela segurança e pela paz, mas sim para outra coisa.

Desconfie do discurso de quem defende ao mesmo tempo “menos Estado” e mais polícia/exército. Discursos assim não são pela segurança e pela paz, mas sim para outra coisa.

A maioria da direita radical, dos “libertários” aos fascistas, defende uma presença forte do aparelho armado do Estado (polícia e forças armadas) na sociedade, de modo a “trazer segurança”, “manter a ordem” e “proteger a soberania nacional”. Mas curiosamente uma grande parcela dos direitistas, abrangendo principalmente conservadores contemporâneos, liberais livremercadistas e “libertários”, defende simultaneamente a diminuição de quase todos os poderes e competências do Estado. Em outras palavras, temos uma suposta contradição na direita, de pedir ao mesmo tempo por menos Estado e mais controle armado estatal. Mas percebendo melhor, isso não é uma contradição, mas sim um dos propósitos centrais dessa parcela do espectro político-ideológico moderno. (mais…)

2 Comentários

-

Leia mais aqui