Artigo
09

maio 2016

assassinato-no-rio

A imprensa trata vidas de brancos com poder aquisitivo elevado como se valessem dezenas ou centenas de vezes mais do que a de negros pobres

O assassinato da menina Ana Beatriz, 17 anos, na zona norte do Rio de Janeiro, é sem dúvida motivo de indignação. E a família dela tem minha solidariedade e meu desejo de que os criminosos sejam presos e condenados o quanto antes. “Mas” algo precisa ser criticamente abordado nesse contexto. Não o inaceitável crime, mas sim a abordagem seletiva promovida pela mídia me relação a ele em detrimento de milhares de outros. (mais…)

2 Comentários

-

Leia mais aqui
29

mar 2015

"Quando eu estalar os dedos, você vai crer que protesto de trabalhadores é coisa de vagabundo, só serve para atrapalhar o trânsito e não tem razão de acontecer, e que a solução para o terrorismo islâmico é intervenção militar americana e nada precisa ser esclarecido sobre suas origens histórico-políticas."

“Quando eu estalar os dedos, você vai crer que protesto de trabalhadores é coisa de vagabundo, só serve para atrapalhar o trânsito e não tem razão de acontecer, e que a solução para o terrorismo islâmico é intervenção militar americana e nada precisa ser esclarecido sobre suas origens histórico-políticas.”

Uma das características mais notáveis da mídia mainstream brasileira, claramente conservadora em ideologia, é abordar de maneira rasa e tendenciosa fenômenos como as opressões e conflitos sociais e o terrorismo. É fácil perceber que ela não convida sua audiência a pensar e/ou procurar saber por que acontecem, por exemplo, greves, protestos de rua empreendidos por classes sociais desfavorecidas, ações de depredação de bancos e outros símbolos capitalistas e ações terroristas de grupos extremistas. (mais…)

1 Comentário

-

Leia mais aqui
16

fev 2015

midia-manipula

Se você está começando a adotar a internet como noticiário e deixou de recorrer à televisão (e ao rádio, ocasionalmente) como único meio de informação jornalística e formação de opiniões, este texto é para você. É um convite a explorar muito mais do que os sites maiores de notícias e descobrir que muito do que a imprensa comum fala passa longe de ser verdade, ou é no mínimo questionável. (mais…)

2 Comentários

-

Leia mais aqui

    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/andreortega/public_html/wp-content/themes/momentum/archive.php on line 51
20

abr 2013

O mesmo mundo que chora as mortes no atentado à Maratona de Boston nega qualquer solidariedade e empatia a atentados numericamente muito piores pelo mundo.

O mesmo mundo que chora as mortes no atentado à Maratona de Boston nega qualquer solidariedade e empatia a atentados numericamente muito piores pelo mundo.

Já repararam na discriminação estadunidocêntrica de povos que vem marcando essa cobertura da mídia sobre os atentados em Boston? A mesma imprensa que hoje chora e assinala ao máximo o sofrimento das famílias e amigos dos americanos mortos ou feridos com o incidente, trata com meras notas de rodapé atentados quantitativamente muito piores em países de regiões/continentes como a África e o Oriente Médio, onde esse tipo de terrorismo é rotina mas não derrama uma lágrima sequer da maioria dos habitantes da civilização euro-americana.

Se esses atentados a bombas tivessem acontecido, digamos, na Bolívia, no Chade, no Paquistão, na Mongólia ou em Taiti, não veríamos tamanha repercussão. Iríamos ver somente poucos segundos de reportagens e menções completamente insensíveis. Da mesma forma, ações assassinas das forças armadas americanas são exibidas com uma insensibilidade formidável disfarçada de “imparcialidade”, muitas vezes chegando-se ao ponto de tornar as próprias vítimas culpadas da desgraça que sofreram – vide a estratégia da imprensa de fazer sua audiência simpatizar com o opressor e odiar o oprimido. Mas como foi nos EUA, a comoção é enorme. (mais…)

3 Comentários

-

Leia mais aqui

    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/andreortega/public_html/wp-content/themes/momentum/archive.php on line 51
02

nov 2012

Em complemento ao artigo A distorção do veganismo pela mídia tradicional que o vem “divulgando”, gravei o vídeo abaixo para o Consciencia.VLOG.br. Nele eu coloco basicamente, em resumo, as mesmas informações do artigo, fazendo o vídeo para as pessoas que são adeptas mais de assistir a vlogs do que de ler artigos.

Pretendo inclusive, em breve caso eu me lembre, resumir em vídeos mais artigos meus que tenham como tema o veganismo e os Direitos Animais, para atingir ao público-alvo que gosta mais de vlogs do que de blogs.

Nenhum Comentário

-

Leia mais aqui

    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/andreortega/public_html/wp-content/themes/momentum/archive.php on line 51
01

nov 2012

O veganismo costuma ser retratado pela mídia como uma “seita esotérica” cujo princípio de combate à escravidão animal nada mais fosse do que um valor religioso desprovido de fundamentação factual e objetiva.

O veganismo vem sendo cada vez mais divulgado pelos meios de comunicação jornalística tradicionais – revistas, jornais, telejornais e noticiários de portais online. Muitos comemoram essa divulgação, que tira da obscuridade e da estigmatização preconceituosa aquele modo de vida encarregado de (ajudar a) promover a justiça para os animais não humanos. Mas até onde podemos comemorar essa propagação midiática do modo vegano de viver e ser ético?

A atenção dos holofotes ao veganismo e aos veganos é algo positivo, por revelar aos onívoros quem somos nós e uma (pequena) parte do que pensamos. Mas isso, por outro lado, não só vem tendo efeitos muito limitados sobre aquilo que realmente deveria ser focado – a necessidade da libertação animal – como tem mostrado a questão vegano-abolicionista de uma forma distorcida que ofusca a visão dos onívoros sobre ela. Isso por causa de um vício universal à mídia: mostrar o veganismo como um fim em si mesmo meramente subjetivo, e não como o meio essencial – ou, melhor dizendo, um dos meios essenciais – para um fim evidentemente objetivo. (mais…)

1 Comentário

-

Leia mais aqui