Artigo
06

jan 2013

Atualizado em 10/01/2013

quarto-da-escola-de-princesas

Na sexta-feira passada, o MG TV da filial da Globo no Triângulo Mineiro passou uma reportagem sobre uma “escola de princesas” em Uberlândia (MG). Menos detalhes do que nos interessaria foram passados na matéria, mas o que foi mencionado já nos convida a uma discussão franca sobre a socialização de meninas num papel de gênero determinado e a adultização de meninas que deveriam estar brincando – ao invés de se maquiando como adultas. No curso, crianças entre 8 e 12 anos aprendem noções de como princesas de famílias reais se comportam – ou, aliás, são obrigadas a se comportar – diante de um jantar de uma família real de uma monarquia, nos cuidados (muito precoces) com maquiagem, com vestuário etc.

É bastante perceptível o teor de aculturação de crianças num papel de gênero que a sociedade patriarcal ocidental, desde a Europa medieval até ainda hoje, espera de mulheres. A reportagem fala claramente de “cuidar da beleza”, serem meigas, usar maquiagens, arrumar quartos coloridos de rosa, usar brinquedos convencionalmente reservados a meninas, preparar a mesa do jantar, entre outros aspectos que de fato acostumam as pequenas garotas à ideia de que os princípios culturais das princesas de reinos europeus são bons para a sua “feminilidade”.

Nisso a “escola de princesas” acaba reforçando que o papel da mulher é ser dócil e encantadora (ou seja, dentro dos padrões de beleza vigentes) para a inspiração dos homens e se dedicar aos serviços domésticos – embora o curso de férias das pequenas “princesas” também fale da filantropia sócio-humanitária empreendida por princesas da modernidade, algo que, porém, pode ser feito por qualquer mulher, independentemente de status e classe social. Fora o engajamento filantrópico, não parece ensinar as meninas a se tornarem mulheres decididas, independentes e dispostas a mudar as raízes dos problemas do mundo – entre eles a própria diferenciação sociopolítica entre princesas moradoras de palácios e mulheres comuns.

Acaba passando assim, apesar da intenção da fundadora da escolinha de (tentar) realizar sonhos de criança – sonhos, diga-se de passagem, culturalmente induzidos e condicionados –, um incentivo ao comportamento submisso e ao conservadorismo social – no qual a filantropia aparece para aliviar os piores sintomas das injustiças e desigualdades sociais mas nada pode fazer para curá-las e subverter a ordem injusta que as causa.

Outro aspecto que chama atenção para a discussão é o uso de maquiagens e o ensinamento de modos comportamentais típicos de princesas europeias adultas, o que caracteriza uma incitação à adultização das crianças e ao consequente abandono do espírito de infância delas. Quando deveriam estar com seus anseios voltados a brincar (e se sujar muito como toda criança deveria) e estudar em suas escolas de ensino fundamental, estão sendo induzidas a adquirir comportamentos e preocupações que, além de serem tipicos de mulheres já crescidas, limitam bastante o potencial de ser criança dessas meninas.

Crianças não deveriam ter preocupação nenhuma em obedecer a arbitrários padrões de beleza e papéis de gênero nem em atender a etiquetas comportamentais típicas de uma realidade incompatível com o seu tempo (século 21, época de hegemonia das repúblicas ditas democráticas, questionamento de tradições de desigualdade social e negação dos valores essenciais do Estado-nação) e espaço (Brasil, América Latina, distante das tradições das monarquias europeias). Atentar-se a esses costumes a tão tenra idade prejudica sua infância e anula sua vontade de ser criança e se comportar como tal. Por isso, a “escola de princesas” acaba tendo um papel ainda mais prejudicial na formação dessas garotas.

Isso torna muito discutíveis a perpetuação cultural da tradição de admiração dos padrões de beleza, riqueza material e comportamento das princesas de reinos da Europa medieval e moderna e também a adultização das crianças – e consequente inibição da infância em promoção de uma precocidade nociva. E ainda pode haver muito mais a se criticar sobre isso. Portanto, tal tema vem tendo, com toda razão, a atenção das feministas e também dos defensores dos direitos da criança e do adolescente.

15 Comentários

-

Leia mais aqui