Artigo
26

jul 2015

Uma das crianças negras de olhos azuis que muitas pessoas brancas, do alto de sua seletividade estética discriminatória, elogiam bem mais do que admiram crianças negras com olhos escuros

Uma das crianças negras de olhos azuis que muitas pessoas brancas, do alto de sua seletividade estética discriminatória, elogiam bem mais do que admiram crianças negras com olhos escuros

Recorrentemente circulam em redes sociais fotos de crianças pequenas negras com olhos azuis – ora azulados por edição de imagem, ora provavelmente azuis de verdade. Recebem muitos elogios – “Que criança mais linda!”, dizem – de pessoas que não costumam achar bonitas com a mesma efusividade, por exemplo, crianças negras de olhos pretos ou castanhos escuros. O elogio seletivo dessas pessoas nos diz bastante sobre padrões de beleza eurocêntricos e negação do racismo. (mais…)

17 Comentários

-

Leia mais aqui

    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/andreortega/public_html/wp-content/themes/momentum/archive.php on line 51
20

nov 2011

A princípio peço desculpas aos negros e negras por, mesmo hoje sendo o Dia da Consciência Negra, eu não ter trazido um post de minha autoria em homenagem a este dia. Eu venho me ocupando num livro que estou escrevendo, acelerando o ritmo depois de meses com a obra paralisada, e isso vem me tomando quase todas as horas do meu dia na frente do computador. Acabei tendo que pegar um texto de uma das minhas ídolas e irmãs de consciência, Lola Aronovich, para não deixar o dia de hoje passar em branco (neste contexto, este termo acaba sendo meio esdrúxulo).

O texto é antigo, de mais de dois anos atrás, mas mantém uma atualidade formidável. Daí eu trago-o aqui na íntegra (excepcionalmente, uma vez que atualmente eu venho divulgando apenas os trechos iniciais de textos reproduzidos de outros lugares, acrescidos do link para o artigo completo na fonte).

 

Argumentos circulares para continuar com o racismo
por Lola Aronovich

Um dos assuntos do momento nos EUA diz respeito à prisão de um professor universitário. Henry Louis Gates Jr, um negro de meia idade e professor de nada mais nada menos que Harvard, voltava ao seu lar após uma semana pesquisando na China. Encontrou a porta da sua casa emperrada, e tentou, com a ajuda de seu motorista, também negro, forçá-la um pouco para poder entrar. Nem preciso continuar contando o que aconteceu, né? O nosso conhecimento prévio já se encarrega de terminar. (mais…)

Nenhum Comentário

-

Leia mais aqui