Artigo
12

abr 2014

A "liberdade" defendida por livremercadistas, incluindo "libertários" e "anarco"-capitalistas, é idêntica à "liberdade" de um pássaro de voar e trocar de poleiro dentro de uma pequena gaiola.

A “liberdade” defendida por livremercadistas, incluindo “libertários” e “anarco”-capitalistas, é idêntica à de um pássaro de voar e trocar de poleiro dentro de uma pequena gaiola.

A liberdade talvez seja a bandeira mais alegadamente defendida pela direita, especialmente entre os liberais de livre mercado, os “libertários” e os “anarco”-capitalistas. Afirmam defender diversas liberdades individuais, como o exercício individual de todo o potencial empreendedor e o direito do indivíduo de acumular, gastar e investir suas riquezas onde e como quiser. Mas algo que não percebem é que suas bandeiras “pró-liberdade” convergem na defesa incondicional da manutenção do sistema capitalista e, por tabela, de todas as suas imposições e hierarquias. E esse sistema é bem mais próximo de um totalitarismo não estatal do que uma tradição provedora de liberdade a todos os seres humanos. Em outras palavras, os “defensores da liberdade” estão na verdade defendendo um sistema totalitário. (mais…)

2 Comentários

-

Leia mais aqui

    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/andreortega/public_html/wp-content/themes/momentum/archive.php on line 51
02

maio 2012

Atualizado em 03/05/12

A imagem abaixo, de um meme pouco conhecido entre os brasileiros (a Disaster Girl), vem circulando no Facebook – eu a achei hoje de tarde em meu mural:

A imagem deixa a entender que a ameaça e o terrorismo – no sentido de atacar a casa ou outras propriedades de alguém, e não de, por exemplo, quebrar os equipamentos de um matadouro ou de um biotério – seriam formas válidas de se defender os animais. Incentiva o confronto violento entre os defensores dos Direitos Animais e os especistas, como se estes precisassem não ser educados, conscientizados e libertados do estado de ignorância, mas sim agredidos e submetidos à destruição de sua propriedade sem que isso tenha qualquer efeito positivo em sua consciência moral.

A princípio peço que algum/a leitor/a me traga exemplos de pessoas que, depois de terem suas casas ou carros destruídos, tomaram para si a consciência ética de que os animais, incluídos os humanos e não humanos, são todos dignos de respeito e direitos. Alguém que aprendeu que maltratar animais é errado apenas ou principalmente porque sua casa foi incendiada ou seu carro foi inutilizado. Que foi educado para uma nova ética por via do medo e da violência. Se me mostrarem uma quantidade numericamente grande, poderei talvez repensar sobre este post.

Mas de antemão defendo que esse tipo de imagem tem consequências nada positivas para o movimento defensor dos Direitos Animais. Falo isso por causa dos aspectos abaixo: (mais…)

5 Comentários

-

Leia mais aqui